"Em comunicação não basta focar o destino é preciso observar a ponte" Carlos Parente (Obrigado! Van Gogh)

quarta-feira, 30 de março de 2011

Marketing de Relacionamento 2

Continuação do material... TECNOLOGIA VENDE TECNOLOGIA
A tecnologia e marketing já foram considerados inimigos. A mesmice fria e impessoal da tecnologia e a peculiaridade humana do marketing pareciam estar em freqüentes brigas. Os computadores só tornariam o marketing menos pessoal; o marketing jamais aprenderia a apreciar a aparência e a essência dos computadores, banco de dados e o resto da parafernália de alta tecnologia. Na realidade o casamento entre tecnologia e o marketing alterou considera-velmente a relação entre a empresa e o cliente e o trabalho do vendedor. Os vendedores transformaram-se em consultores de marketing. Armados com seus notebooks possuem informações vitais para auxiliar as decisões dos clientes.

NOVOS TEMAS PARA O NOVO MARKETING
Atualmente as transformações são tantas e ocorrem tão rápido que os padrões e comportamentos estabelecidos no mercados já não são mais sustentáveis. A administração moderna defronta-se com tantas peculiaridades que às vezes a situação foge de seu controle. Algumas das coisas que acontecem nesta nova era competitiva:




  • A diversidade de produtos e serviços aumenta até em pequenos segmentos de mercado


  • A competição mundial aumenta


  • Os mercados ficam tão segmentados que os nichos tornam -se soberanos


  • As distinções entre produtos ficam pouco nítidas


  • Os ciclos de vida dos produtos são acelerados


  • Os canais de distribuição estão em um fluxo constante


  • Embora ficar ao lado do cliente seja preeminente, os canais muitas vezes obscurecem o diálogo com o cliente


  • A mídia promocional tradicional amplifica o nível de barulho e não consegue comunicar mensagens claras. Reina a confusão


  • As organizações diminuem e se reestruturam, procurando novas formas de fazer negócios


  • Ambiente de negócios e o curso dos eventos competitivos são imprevisíveis


  • A previsão e as pesquisas não proporcionam um caminho de ação nítido



HORA DE COLOCAR UM PRODUTO NO MERCADO E HORA DE ACEITÁ-LO

A hora de colocar um produto no mercado é a preocupação principal de toda a gerência. Hoje , a tecnologia e a informação estão em pé de igualdade. A informação é tão penetrante que logo que se torna visível uma tecnologia, já está disponível para todos. A liderança tem uma duração muito menor no ne-gócio da tecnologia do que em outros setores. Exige-se que todos mantenham um prazo para comercializar os produtos no mercado, da diretoria aos gerentes de engenharia. Índice de penetração de novas tecnologias Anos de lançamento do produto a um milhão de usuários Telefone - 20 Televisão - 15 Televisão a cabo - 10 Videocassetes - 6 Telefone Celular - 7 PC - 4 Fonte : RMI / Phillips Publishing

O SURGIMENTO DOS "OUTROS"
Hoje, parece haver mais de tudo - mais fábricas de biscoitos, mais fábricas de sorvete, mais marcas de roupa, mais carros, mais fornecedores de computador, mais fornecedores de software, e mais empresas de serviços. Um Artigo da Business week discutiu os modismos da década de 80. Observava-se que os executivos agarravam-se a qualquer idéia gerencial que pareça ser uma resposta rápida. Na década de 90, voltaremos ao velho método de "Delinear e atacar". As empresas tentarão alcançar uma posição superior construindo relações sólidas com seus clientes: relações baseadas na confiança, receptividade e qualidade. Marketing é como ir à Lua Nos setores de rápida transformação, marketing é como dirigir um foguete da Terra para a Lua. Nós sabemos que a lua está lá, mas está constantemente mudando de posição. teremos que corrigir a rota para alcançarmos. Marketing é uma questão de criar mercados, não de participar do mercado Penetrar no mercado visando apenas atingir uma maior fatia do mercado existente, muitas vezes destroi a rentabilidade. Quando se cria um novo mer-cado, a rentabilidade tende a ser muito maior, como é o caso da Apple que é a 3ª mais rentável dos EUA, e detém apenas 10% do mercado em que atua, é que ela inovou quando resolveu dedicar-se apenas à parte gráfica. Marketing tem a ver com processo, não com táticas promocionais Em 1983, a IBM lançou o PCjr, com uma campanha promocional multi-milionária. Utilizou revistas, rádio entre outros, mas o equipamento não vendeu bem. O problema é que a IBM não teve como avaliar o produto a tempo neste caso, a revenda não se empolgou com o produto, além de não o conhecerem bem. Seria muito melhor se tivessem feito um pré lançamento com testes, as-sim teriam um feedback sobre o produto antes de colocá-lo à disposição no mercado de massa. Marketing é qualitativo e não quantitativo Os homens de negócios adoram números, fazem com que se sintam se-guros. Entretanto, quando falamos de inovação tecnológica, precisamos confiar no feeling, pois pesquisas de mercado neste sentido usualmente custam fortunas. Marketing é trabalho de todos Marketing é desenvolver e manter relações com o cliente, é integrá-lo ao projeto, desenvolvimento, produção e processo de vendas da empresa. A empresa inteira tem que pensar em termos de marketing.


Continua...
*Material disponível em: http://usuarios.uninet.com.br/~josehigi/mkt1.html ** Material produzido por: Profº Francisco Fernandes Filho e os alunos Alexandre Rotti, Fabio Mais Soares, Luis Felipe A. C. Senra e Roberto Pereira Eisenlohr

Nenhum comentário: